A programação do II SIALAT está composta de várias atividades de caráter científico,
tecnológico, político e cultural. Conta-se com as seguintes atividades: Conferência, Mesas
Redondas, Grupos de Trabalho (apresentação de Trabalhos Completos e de Pôsteres),
Minicursos, Oficinas, Mostra de Filmes da América Latina e Ações Culturais. Essas atividades
estão estruturadas pelo eixo temático do evento, buscando manter coerência com o tema
abordado.

A relevância do evento também pode ser vista pelo alcance de público. O SIALAT 2015, realizado
em novembro de 2015, contou com poucos recursos, entretanto foi registrado aproximadamente
500 participantes. Para o II SIALAT a submissão de trabalhos foi surpreendente, com 1.020
resumos para trabalhos completos e pósteres recebidos. O público alvo é formado por docentes e
discentes de Programas de Pós-Graduação, de Grupos de Pesquisa, de demais professores,
pesquisadores, estudantes de graduação, de professores da rede de ensino médio e básico,
técnicos, gestores públicos, movimentos sociais, profissionais e interessados em geral nas
temáticas abordadas.

Desta forma, este evento propiciará o intercâmbio de ideias, estudos, pesquisas e debates na
análise de experiências de pesquisa sobre o Estado, governos e suas políticas, pensamento
social no Brasil e na América latina, lutas sociais e organizações da sociedade civil, processos de
trabalho, relações de gênero, processos de migração e deslocamentos forçados, imaginário, mídia
e poder, mudanças no agrário, transformação do urbano, grupos étnicos, natureza e direitos,
cultura e turismo, mineração e grandes obras hidrelétricas, todos eles temas que têm
incrementado o intercâmbio acadêmico-científico tomando como referência os próprios programas
de pós-graduação que incutem problemas relacionados ao desenvolvimento capitalista – esses
temas são priorizados nos treze Grupos de Trabalho.

Um evento como este não se faz sem o apoio de instituições, grupos de pesquisa e pessoas.
Inicialmente um agradecimento para a Universidade Federal do Pará através da Pró-Reitoria de
Pesquisa e Pós-graduação e do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, essenciais na sua
execução. Ao CNPq, à CAPES e a FAPESPA, como agências de financiamento que acreditaram e
apoiaram este projeto. Às instituições parceiras com as quais esperamos continuar realizando
atividades acadêmicas e políticas, como o CLACSO, a SBS, a ANPUR, o PPGSA/IFCH/UFPA, o
ILEA/UFRGS e a UNILA (no seu núcleo sobre a Amazônia). E, em especial a todos que compõem a
equipe do Grupo de Pesquisa Estado, Trabalho, Território e Mercados Globalizados (GETTAM),
formada por docentes e discentes da pós-graduação do NAEA, de professores do CESUPA e da
UNAMA, responsáveis pela organização do II SIALAT 2017.

Edna Castro
Coordenadora do II SIALAT 2017

Olhares cruzados sobre a América Latina no Programa do II Sialat